• Michele Costa

Jacob do Bandolim ganha biografia

Jacob Pick Bittencourt, trocou o sobrenome por Bandolim, tornando-se um dos maiores bandolinistas brasileiros. Desde criança tocava. Começou pela gaita, depois foi para o violino, mas foi no bandolim que se encontrou. Esse ano, o músico ganhou dois presentes para celebrar sua arte: no centenário de nascimento, diversos instrumentistas regravaram suas canções; e sua biografia, "Jacob do Bandolim: Um Coração que Chora" (Editora Noir, 2020) acaba de ser lançada.


Escrita pelo jornalista Gonçalo Junior, "Jacob do Bandolim: Um Coração que Chora" conta o segredo que o músico escondeu por 51 anos: sua mãe, Raquel Pick, era uma ex-prostituta e cafetina judia polonesa, que atuava na Lapa, no Rio de Janeiro. Mesmo crescendo em um ambiente hostil e por uma mãe opressora, o músico conseguiu encontrar seu caminho.


Leia também:

Dia do Samba: os 10 melhores álbuns do gênero

Marina Person e Gustavo Moura: a necessidade de falar sobre filmes

Janis Joplin: Sua Vida, Sua Música


Temperamental, irascível e implicante, Jacob era sincero (e muitas vezes esse "defeito" trouxe problemas, desafetos e inimigos), perfeccionista e mulherengo, vivendo cada segundo de sua vida. Aproveitava para dizer que as cordas do seu bandolim não eram de aço, mas feitas das fibras do seu coração.


Para compor o livro, Gonçalo fez uma pesquisa intensa que durou três anos. Além disso, o autor teve acesso a mais de 400 horas do arquivo pessoal do artista, milhares de documentos e entrevistas com dezenas de pessoas que o conheceram. Inclusive, o jornalista também expõe a relação turbulenta do músico com o filho Sérgio Bittencourt.


Para comprar o livro, acesse o site da editora Noir: www.editoranoir.com.br


Posts recentes

Ver tudo